RAPOSOS- NOMUNDO.2

Como era costume dos bandeirantes edificaram um templo, ergueu-se uma pequena capela de pau-a-pique que deram o nome de Capela de Nossa Senhora da Conceição , no dia 8 de dezembro de 1690. Esta pequena capela foi se transformando e recebendo todo o estilo da época, o Barroco. Em 1724 foi criada uma lei atravéz de um alvará de Dom João V para ornamentar as paróquias de Minas.A paróquia de Nossa Senhora da Conçeição tornou-se assim a primeira Matriz de Minas Gerais, adornada com peças de ouro vindas de Portugal, móveis de cedro, obras de arte e altares no estilo barroco. E por falar em barroco, muitos ainda lembram do pároco da cidade nos anos 50 e inicio dos anos 60, que figura, ele era esquentado pra dedeu, cara amarrada, só vivia de mau humor, ficava enfiado dentro da Igreja só saindo para ir ou para BH de trem, ou pegava o bondinho para ir a Nova Lima. Era muito respeitado por todos, Padre Antonio era o nome dele, todas as moças da cidade pelavam de medo dele porque, ele não dava mole, na opinião dele beijou tinha que casar.
Ele aprontava o maior barraco:- ao término das missas os casais íam namorar no adro da igreja e ele não gostava, botava a boca no trombone, xingava todo mundo, os pais, as mães, a cidade, sobrava até para os coroinhas.
A moçada sofria com o pega do Padre Antonio, minino, ele pegava pesado, os carinhas só estavam dando um cafuné; uns beijinhos e ele achava um horror, falava, falava, chingava, chingava até babar e a turma não tomava jeito, era terminar a missa e lá estava o namoro correndo solto, de repente eis que ele surgia com uma batina preta, um chapeu preto, ói, eu tinha medo dele, não esqueço da festa do Rosário, meu era legal demais! Os cavaleiros todos enfeitados, cada cavalo bonito sô! Padre Antonio era o máximo, que figura, e ele não era de muito lero não, a meninada cascava fora quando ele passava pelas ruas. Então tá vamos em frente, onde paramos mesmo hum! Há! Sei,