RAPOSOS-NOMUNDO. 3

começaram a chegar os primeiros ingleses para operar nas minas em 1832, pois era em Minas que possuía a primeira indústria aurífera do mundo.Raposos no cantinho do mundo produzia o ouro tão cobiçado por todos os continentes. Os Ingleses as custas de muitos trabalhadores que tiveram pouco tempo de vida devido as doenças causadas por poeira nas minas:- pó de pedra e outros agentes agressivos, retiraram quase todo o ouro, bastaram dezoito anos, pois em 1850 com a escasces do ouro, começou o abandono do Arraial restando apenas tres familias, os Sabarenses, os Gouveias e os Torres, a Matris de Nossa Senhora da Conçeição estava totalmente abandonada e foi rapinada de quase tudo, muitas obras se perderam no tempo.
A trancos e barrancos do que restou, os trabalhos continuaram, o ouro era mais dificil aí,
pensem bem instalaram em 1907 uma fábrica de fósforos Chamado O Luz Mineira, aproveitando a madeira que cobria grande parte dos vales, fornecendo emprego a quase toda a população local. Daí a mudança de nome ocorreu após a segunda guerra mundial pois, até então mesmo com tanta riqueza o Arraial do Rapôso ainda não era município.
O Arraial foi reconhecido a categoria de município só em 27 de dezembro de 1948 , passando a chamar Raposos. E desvinculando-se de Nova Lima no dia primeiro de Janeiro de 1949. Passaram- se os tempos e muitos de nossos parentess e amigos que trabalhavam na mina morreram pois, trabalhavam em péssimas qualidades de segurança e de proteção a saúde. Em maio de 1998 , a empresa de extrativismo mineral, encerrou suas atividades na Mina de Raposos, fechando 300 postos de trabalho diretos e centenas indiretos, desestabilizando a economia local que não se recuperou até hoje, também com a falta de apôio do governo federal nehuma cidade cresce, o povo sofre com falta de emprego, não é dado os recursos nescessários para as cidades como é o caso de Raposos.
Cresce é a marginalidade , Raposos, Sabará, Rio Acima, mesmo Nova Lima, cidades importantes no passado estão aí, à margem do progresso praticamente paradas no tempo.
A capital Mineira B. Horizonte está para entrar em colapso, pois passou a ser a salvação
para todas as cidades sem recursos cujos moradores sofrem com a distância, o trânsito e uma série de fatores. Porque essa porcaria de governo não introdus uma duas fábricas nessas cidades, um bom hospital, os F.D.Ptas acabaram por exemplo, com o SENAI, será que uma única faculdade pública não poderia ser implantada para servir essas comunidades? Implantar pelo menos uns dois centros de treinamento profissional, mas não a rapinagem não deixa e os deputados, senadores ganham os tufos para não fazer nada. Tenho pena dos nossos pequenos pois não tem mais infância, minha mãe morreu em 51 eu tinha 4 anos, e meu pai sem condições de cuidar de mim e meus dois irmãos nos levou para morar com meus tios em Raposos. Eu tive infância:- brinquei, tomei porrada para aprender a ser homem, mas valeu, vi Raposos ainda sem carros, sem telefone, estrada de poeira, mas um Raposos que o rio ainda dava peixe, uma cidade que até hoje é de pessoas boas, que acreditam em Deus. Lembro com muito carinho dessa cidade que me recebeu dos 4 aos 10 anos de minha vida, que saudade dos burros de canga, dos carroções, do pessoal que andava no lombo dos animais, do poço da pedra eu não posso falar, pois quando pequeno eu não fiu lá, depois de crescido também não fui de medo pois lembro que não foram poucas as mortes por imprudência do pessoal que chegava no trem lotado.
Naquela época não tinha crime, Raposos contava com uma delegacia com um cabo e dois soldados, era uma piada quando alguém ultrapassava os limites. Lembro que estava com meu tio, ele era sapateiro e cismou que eu tinha que aprender o oficio, não dei no couro. Então, do lado tinha o bar do Calixto e um bebum cismou de encher o saco, aí chegaram os dois soldados e disseram:- teje preso e colocaram o sujeito na frente e os dois foram atráz; meu tio e o João Praça ficaram me olhando e eu olhando para eles. O João além de sapateiro agarrava no gol do segundo quadro do Estrela, o irmão dele Vicente Praça tabém meu pai foi goleiro na década de 40, todos três contadores de lorota como dizia meu tio com aquele bigodinho torcido ridículo e um palito no canto da boca me ameaçando, enchendo meu saco, e dizia que iria mandar me prender pode! Tudo por causa do Geraldo boca aberta que me dedurou. Primeiro vamos lembrar do Geraldo Boca Aberta, o pobre tinha deficiências, tinha um problema na perna e mancava, para equilibrar ele usava um espécie de porrete tipo um cajado, o outro problema era que ele não conseguia falar, por isso o pobre babava e ficava com a boca sempre aberta, háháhe ho! Era o som que o coitado pronunciava, mas apontava com o dedo, a molecada putz, pintava com ele, sacanagem né coitado! Morei uns tempos com meu outro tio no bairro do Matador, meu tio Barbeiro em Raposos, era um cara a quem devo muito, me dava muito conselho, depois fui morar na Água Limpa com minha tia “Minha Segunda Mãe”, que Deus a tenha, lá no morro da Água limpa, dava para ouvir o auto falante do Estrela que era o meio de comunicação da cidade; era assim uma música para cada evento, se morria alguém era chato de cara a música falava por si. Uma vez essa música tocou aí o J.Leite filho do Benigno disse esta no ar o serviço de auto falante do Estrela FC para imfomar a morte de um camarada com apelido de fogão quente. Mas a história se complicou porque o nosso ilustre amigo fogão, não morreu! Explico:- fogão quente tomava todas e vire e mexe aparecia dormindo num canto, nesse dia de sua presuposta morte, fazia um frio de lascar e o disgramado tomou todas que tinha direito e escornou num canto. De manhã encontraram o pobre duro igual picole. Moral da história, para todo mundo fez o passamento e por isso foi anunciada a sua morte. Deu a noite já entrando a madrugada, os homens com o chapéu debaixo do braço, as mulheres rezando, em dado momento ouviram um pum bem alto, a galera teve um sobresalto, mas tudo bem as mulheres entoaram uma canturia de reza e o fogão abriu os olhos debaixo do lençol branco e pensou ainda meio aturdido se tratar de uma festa, levantou num tranco e falou alto:- tô com uma fome? Não tinha acabado de terminar a frase e não sobrou ninguém, neguinho, muiê ,minino, todo mundo saiu pelas portas, pelas janelas numa gritaria danada de medo. Devido o excesso de bebida, ele teve uma pseuda parada cardíaca e também pela friagem da noite; passou o pileque e o danado pôs todo mundo para correr e o J Leite foi obrigado a mudar o tema em vez de nota de falecimento ele disse serio nota de refasimento, gracas a Deus o Fogão quente não morreu ele restabeleceu.
Pois é, mais um pouco ele seria levado para ser emterrado imagina! Como não tinha agente funeral seria levado pelas mãos do povo, o pessoal respeitava os mortos e todo comercio baixava as portas, as mulhers rezavam. Os homens tiravam o chapeu, a meninada fazia silêncio, dá que o morto ressuscita no itinerario e perto da ponte! Neguinho ia virar Matusalem, pulava dentro do rio, falando em Matuzalem ou figura heim, o cara era doido; em época de chuva o rio enchia e o maluco vinha em dispada montado no pobre do cavalo e se jogava no rio e todo mundo olhando! O cavalo sempre saia primeiro…
Desculpem as brincadeiras, os nomes que citei foi com todo o respeito para com eles e toda a cidade de Raposos pela qual tenho no meu coração!
Snitram